Redução do ruído no ambiente hospitalar: Uma ótima receita para uma saúde melhor

Em Todas , Poluição Sonora no Ambiente Hospitalar , Por Daniel

Redução do ruído no ambiente hospitalar: Uma ótima receita para uma saúde melhor!

Se você já esteve doente o suficiente para precisar de internação, está bem ciente de que, paradoxalmente, os hospitais são muitas vezes o pior lugar para um doente estar, caso precise realmente de um descanso de qualidade para conseguir se recuperar. A boa notícia é que os gestores de hospitais estão bem cientes deste desafio e eles estão à procura de como proporcionar ambientes que sejam mais convenientes para a recuperação.
O que eles descobriram é que um dos maiores culpados em perturbar os pacientes é o nível do ruído ambiente próximo ao paciente. Segundo o washingtonpost, uma diminuição de um ponto na satisfação do paciente equivale a um aumento de 5% na probabilidade de processos por erro médico.
Não é apenas um paradoxo, é um problema sério.
Aprendemos que o ruído excessivo pode até mesmo retardar o processo de cicatrização. Porém um estudo realizado pela Universidade Johns Hopkins concluiu que, nos últimos 50 anos, os níveis de ruído em hospitais continuaram a aumentar de forma constante. Os níveis de ruído durante o dia têm crescido de 57 decibéis em 1960 para um colossal 72 atualmente, e os níveis noturnos também têm se elevado. A Organização Mundial de Saúde estabeleceu 40 decibéis como sendo o nível adequado, que é, comparativamente, mais silencioso que um calmo sussurrar.
Coloque em perspectiva, de acordo com os atuais níveis de ruído, os pacientes podem se sair melhor se recuperando em casa. Claro, alguns pacientes estão muito doentes e está não é uma opção. Então, o que os hospitais podem fazer sobre isso? Em um ambiente onde tantas coisas apitam e buzinam e as pessoas estão constantemente conversando, trocando informações, reduzir o ruído pode parecer uma tarefa impossível. Os funcionários podem receber treinamentos, os visitantes conscientizados, telefones celulares silenciados e painéis de redução de ruído instalado.
Mas o que pode ser feito para reduzir de fato o ruído no ambiente hospitalar? Os hospitais têm dezenas de diferentes fontes de ruídos e muitas delas são associadas às atividades e procedimentos que acontecem em determinados horários do dia. Como podemos quantificar o ruído produzido pelos alarmes? Qual o horário mais crítico, o horário de visitas ou a troca de turnos? Em que dia da semana a equipe multidisciplinar é mais agitada?

Se você quer saber as respostas, conheça o dispositivo da Medisom que fornece um feedback valioso para ajudar a reconhecer e controlar níveis excessivos de ruído.  Acesse: “Aquilo que não se pode medir, não se pode melhorar”.




Comentarios